Quatro Rodas

Vídeo: como escolher o próximo kit relação da sua moto

Explicamos diferenças importantes de qualidade e durabilidade de corrente, coroa e pinhão que podem ser comprados para reposição

13/12/2019 15:42

Nove em cada dez motos vendidas no país têm transmissão final por corrente. O sistema leva o movimento do conjunto de motor e câmbio até a roda traseira da moto. É de baixo custo, se comparado à correia de borracha ou cardã, mas precisa de manutenção periódica para durar mais. O principal é manter os componentes corrente, coroa e pinhão sempre lubrificados e periodicamente limpar a sujeira acumulada. 

Dependendo de como você cuidou desse conjunto de três componentes conhecido como “kit relação”, depois de 10 mil, 20 mil ou 30 mil km chegará o momento da troca. A corrente vai ganhando folga e os dentes de coroa e pinhão ficam cada vez mais gastos. 

Então, como escolher por qual kit relação trocar? Corrente, coroa e pinhão são projetados para a mesma durabilidade, por isso são vendidos juntos. Você também só paga uma instalação no mecânico e fica mais barato do que comprar e instalar peças avulsas. 

Existem algumas diferenças importantes de qualidade e durabilidade que você pode buscar: certificação do Inmetro, tipo de aço e corrente com ou sem retentores. O primeiro ponto para ficar atento na compra do kit relação é o tipo do aço. A exigência mínima do Inmetro é o aço do tipo 1023, e o de melhor qualidade é o 1045. Este último possui mais carbono na formulação para resistir até 40% mais. 

Procure o selo do Inmetro na embalagem, é a única garantia de que o produto passou pela certificação e entrega aço da qualidade que promete. É comum encontrarmos produtos à venda prometendo aço 1045, sem certificação. A diferença de preço não costuma ser grande entre 1023 e 1045, ao redor de 15%.  

Além do tipo de aço, outra escolha que você pode fazer é a da corrente. Pode ter ou não retentores, chamados de “o’ring”. São anéis de borracha que servem de junta entre as peças que formam a corrente, nas laterais. Evitam atrito e entrada de sujeira. Esses anéis também retêm a lubrificação original de fábrica por mais tempo e reduzem a necessidade de manutenção periódica.   

A corrente com retentores fica mais pesada, mas emite menos ruído e dura pelo menos 30% mais. Se optar pela corrente sem retentores, que pode reduzir o preço do kit pela metade, será preciso lubrificá-la com mais frequência. Veja mais no vídeo:

 

©Copyright Duas Rodas. Para adquirir direitos de reprodução de conteúdo, textos e/ou imagens: marcelo@revistaduasrodas.com.br

APLICATIVO



INSTAGRAM