Advertisement

Todas as motos de Senna

Na semana em que se completam 20 anos da morte do piloto, Ducati lança série especial e relembramos outras motos que receberam a chancela do ídolo

28/04/2014 16:56

A fabricante italiana Ducati iniciou as vendas da esportiva 1199 Panigale S Senna, em homenagem ao piloto brasileiro tricampeão de Fórmula 1 que faleceu no dia 1º de maio de 1994. Embora a moto já estivesse pronta desde 2013 e tenha sido revelada em outubro no último Salão Duas Rodas, a fabricante esperava a efeméride dos 20 anos do acidente no GP de Ímola para iniciar as entregas do modelo.  

Serão 161 unidades produzidas da série especial, em referência ao número de provas disputadas pelo brasileiro na Fórmula 1, destinadas apenas ao mercado brasileiro. A nova Panigale se inspira na 916 Senna desenvolvida em cooperação com o piloto meses antes de sua morte, com a mesma combinação de cor cinza e rodas de alumínio forjadas vermelhas, além da logomarca com o “S” estilizado nas carenagens laterais. Componentes de fibra de carbono também diferenciam a edição limitada, como pode ser visto nos para-lamas. O preço de R$ 100 mil é R$ 5 mil superior ao da Panigale S e terá um percentual destinado aos projetos educacionais do Instituto Ayrton Senna.

Senna e outros sucessos italianos

A Panigale agora se junta ao hall de outros quatro modelos que estiveram publicamente relacionados ao ídolo brasileiro – e que, coincidência ou não, se transformaram em ícones para suas marcas. Pouco antes de sua morte, o piloto e o designer italiano Massimo Tamburini criaram uma versão da então nova esportiva da Ducati, que seria cinza com rodas vermelhas. A 916 foi lançada em 1994 e produzida até 1998 como um marco de renovação no design das esportivas da marca. Uma das unidades da versão especial, lançada já após o acidente em Ímola, foi entregue à família do piloto e ficou exposta no estande da marca no Salão Duas Rodas junto com a nova edição.

Antes do lançamento da 916, Senna já era proprietário da esportiva 851 e da recém-lançada naked Monster 900. As duas também foram ícones da marca: a 851 foi produzida de 1987 a 1992 e representou um grande avanço tecnológico para a Ducati ao ter o motor de 2 cilindros em “L” refrigerado por líquido, receber cabeçote de 4 válvulas por cilindro e alimentação por injeção eletrônica. Foi com ela que o piloto foi fotografado certa vez em casa, limpando a moto. Já a Monster foi apresentada em 1993 como uma precursora do estilo naked e se firmou o maior sucesso de vendas da história da marca, até hoje em produção, agora em sua terceira geração. Senna recebeu uma das primeiras unidades produzidas e foi fotografado em Mônaco passeando com a namorada Adriane Galisteu.

A última moto que havia se vinculado à imagem do piloto, no entanto, não foi uma Ducati. Em 2006, Claudio Castiglione, fundador da Cagiva e controlador da Ducati na época da parceria com o brasileiro, fazia renascer a marca MV Agusta com o lançamento da esportiva F4 1000 projetada por Massimo Tamburini. A proximidade dos dois italianos com Senna fez com que procurassem a família na época para que o piloto batizasse uma série especial. Novamente a esportiva foi decorada com pintura cinza e detalhes vermelhos, como o piloto havia aprovado antes de sua morte. A F4, assim como a 916 de Tamburini, hoje compõe o acervo do Museu Guggenheim e segue em produção como uma das esportivas mais desejadas da atualidade.

Senna já batizou Yamaha criada por americano nos anos 90; relembre

Senna volta a batizar série especial da Ducati com a Panigale S

APLICATIVO



INSTAGRAM