Quatro Rodas

Primeiras impressões: pilotamos a nova Honda CB 500X

Duas Rodas teve um primeiro contato com a terceira integrante da família 500 da marca, que chega às revendas este mês

14/05/2014 14:00

Por Vinícius Piva

Na segunda quinzena de maio chega às revendas Honda do país a CB 500X, terceiro e último modelo da família 500, formada também pela naked CB 500F e pela esportiva CBR 500R. Duas Rodas viajou pela região de São Luís do Paraitinga, interior de São Paulo, para ter um primeiro contato com a nova motocicleta.

Dentro do conceito de uma mesma base para algumas variações, os três modelos compartilham chassi, motor e câmbio. Contudo, a proposta da versão X é ser mais confortável que as demais. Para isso, o modelo vem com banco inteiriço em dois níveis, suspensão de 140 mm (20 mm a mais que as irmãs), para-brisa e guidão mais elevado.

Na teoria as diferenças parecem poucas, mas a sensação na prática é significativa. A posição de pilotagem é mais ereta, os braços ficam afastados, o que retarda o cansaço durante as viagens. O curso maior de suspensão deixa o piloto menos vulnerável às oscilações do asfalto e ainda permite uma leve incursão em piso de terra. Leve porque as rodas de aro 17’ e os pneus originais são voltados para uso no asfalto.  

Equipado com o motor bicilíndrico de 471cc, a CB é capaz de produzir 50,4 cv de potência a 8.500 rpm e torque de 4,55 kgf.m a 7.000 rpm. Com os mesmos números das irmãs já em linha, natural que as três versões mostrassem desempenhos idênticos quando colocadas à prova. Nesse aspecto, a X leva vantagem, já que sendo a mais versátil das três ainda conta com um propulsor que garante boa aceleração e equilíbrio para contornar curvas. Apesar da melhoria de conforto, a dose de esportividade também está garantida.

O porte da CB 500X também é diferente em relação as suas irmãs. Ela é um pouco maior (2.095 mm x 2.075), mais larga – 840 mm x 740 mm (R) e 760 mm (F) –, e mais alta que as demais: 1.260 mm x 1.145 mm (R) e 1.060 (F). Para aumentar a autonomia da moto, o tanque de combustível de 17 litros é 1,3 litro maior do que as outras duas versões.

Apesar da semelhança no visual com a NC 700X, o comportamento da CB é completamente diferente. Mais ágil que o modelo de maior cilindrada até pela diferença de peso – 180 kg contra 202 kg na standard –, tem motor mais elástico e que não privilegia a economia de combustível a exemplo da 700. A 500X, em síntese, é fácil de ser domada, mesmo por quem não tem larga experiência com modelos de porte mais avantajado.

Mercado

De acordo com Marcos Monteiro, gerente de planejamento comercial da Honda, a expectativa é vender 5.700 unidades da CB 500X este ano, das quais 51% da versão dotada de freios ABS. O público alvo consiste em, além de antigos motociclistas que estão voltando ao mundo das duas rodas, atuais usuários de trail de baixa cilindrada e donos de big trail usadas. Neste primeiro ano de convivência dos três modelos, a marca prevê o mix de vendas da seguinte forma: 40% (F), 35% (X) e 25% (R).

A novidade é oferecida nas cores vermelha e cinza e os preços sugeridos (sem frete) são R$ 23.500 e R$ 25 mil para a versão com ABS.

Nas bancas: vale a pena esperar pelos lançamentos de Yamaha e KTM?

Vídeo: Harley-Davidson Street Glide à prova na Polícia do Exército

Honda mostra Falcon com cores inspiradas na Africa Twin

APLICATIVO



INSTAGRAM