Quatro Rodas

Honda CBX 750F: Brasil já teve a moto mais cara do mundo

O ano era 1986, e quem podia comprar uma CBX era "rei" num país de motos antigas e de pequena cilindrada

15/10/2019 11:44

Em 1986 a Honda conseguiu autorização para importar 700 unidades da CBX 750F naquele Brasil fechado ao mercado externo. O país acumulava dez anos sem motos de alta cilindrada importadas, uma medida do Governo para estimular a produção nacional. A limitação tecnológica local restringia as opções motos usadas ou modelos 0 km nacionais de baixa cilindrada. No topo do mercado estava a Honda CB 450, até que chegou aquele lote das 4 cilindros CBX, todas pretas. 

Anos de demanda reprimida e o número limitado de unidades foi a receita perfeita para uma escalada de preço. O valor de tabela da CBX 750F 1986 importada correspondia a três CB 450 com motor de 2 cilindros. E não foi suficiente para afugentar candidatos a compra, que chegaram a pagar o triplo disso por causa do ágio. Valia de tudo: pedir ajuda a amigos influentes, fazer ofertas a quem tinha conseguido uma para revender com lucro... As notícias de que a CBX seria nacionalizada no fim do ano com simplificações tecnológicas ajudaram a sustentar o frenesi. 

Naquele momento as CB 750 da década de 1970 ainda estavam valorizadas no mercado de usadas. Continuavam custando mais que uma 450 nova, e nos anos seguintes a CBX 1986 permaneceu também valorizada diante da nacional. Quem teve uma importada se acostumou a recusar propostas de revenda desde o momento de saída da concessionária. 

A venda da nova Honda de 4 cilindros só foi possível porque a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) autorizou a importação da cota de motos completas excepcionalmente, para “investigação de mercado”. Como contrapartida, a Honda se comprometeu a nacionalizar o modelo no ano seguinte de acordo com os índices obrigatórios. Na época, só Honda e Vespa produziam exclusivamente em Manaus. A Agrale fabricava modelos sob licença da Cagiva em Caxias do Sul (RS) e a Yamaha estava em Guarulhos (SP). A concorrente japonesa só começou a operar uma segunda fábrica na Zona Franca em 1985, por causa dos componentes importados. Assim conseguiu viabilizar a nacionalizações de modelos mais sofisticados, como RD 350LC e Ténéré 600. 

Para rodar com gasolina brasileira o motor da CBX 750F teve a taxa de compressão reduzida de 9,3:1 para 8,8:1. A potência também diminuiu em 9 cv, totalizando 82 cv. De qualquer forma a CBX trazia diversos avanços sobre o motor de 4 cilindros da década de 1970, da CB 750. Tinha comando duplo e 4 válvulas por cilindro em um conjunto menor, que rendia potência expressivamente superior aos menos de 70 cv da 750 original, permitindo ultrapassar os 200 km/h. Outros requintes eram embreagem de acionamento hidráulico, suspensão dianteira com regulagem pneumática e sistema anti-mergulho e os pneus sem câmara.

Em dezembro de 1986 a versão nacional estreou com apenas 40% de índice de nacionalização e 300 unidades produzidas mensalmente. As modificações ficaram evidentes já na estética, nova carenagem e farol arredondados, com pintura branca e vermelha. Estava claramente menos esportiva e mais confortável. A carenagem da CBX 750F 1987 era maior, recebia farol duplo em peça única e semi-guidões elevados em 2 cm. Foram eliminados os escapamentos pretos, a regulagem da suspensão, o aro dianteiro de 16 polegadas e os pneus sem câmara. Simplificações para ajudar na nacionalização de componentes, como as rodas de aro 18” que usavam pneus com câmara. A tecnologia mais sofisticada manteve a CBX de 1986 desejada, valorizada e eternizada na memória dos brasileiros da época.

A única mudança relevante na CBX nacional aconteceria em 1990 quando ganhou o sobrenome Indy. Os últimos cinco anos à venda foram marcados pelo declínio acelerado diante das recém-chegadas importadas. Nem a Honda deixou de trazer motos mais sofisticadas que as nacionais, como as CBR 600F e 1000F. A versão se diferenciava pela carenagem integral cobrindo o motor e incorporando luzes de direção e espelhos retrovisores. O painel também foi remodelado e dois porta-luvas com fechadura foram instalados entre carenagem e tanque. Uma trave acrescentada ao chassi para aumentar a rigidez e melhorar a estabilidade somou os últimos dos 12 kg de sobrepeso. Cara e já antiquada diante das opções importadas, a CBX saiu do mercado junto com a família 450. Assim a Honda abriu espaço para novos produtos de média e alta cilindrada vindos de fábricas em outros países.

 

©Copyright Duas Rodas. Para adquirir direitos de reprodução de conteúdo, textos e/ou imagens: marcelo@revistaduasrodas.com.br 

APLICATIVO



INSTAGRAM