Quatro Rodas

História: Yamaha Ténéré aproximou motociclista do rali Dakar

Lançado no país no fim da década de 1980, modelo conquistou os brasileiros que se identificavam com o tema aventura

24/02/2015 11:14

Texto: Marcelo Assumpção  fotos: Mario Villaescusa

A primeira monocilíndrica de quatro tempos da Yamaha foi apresentada em 1975 como TT 500, ainda sem sistema de iluminação, e foi seguida pela versão de rua XT 500 em 1976. É considerada por muitos a pioneira das big trail e consagrou a marca ao conquistar os dois primeiros lugares no rali Dakar inaugural, de 1979, e as quatro primeiras posições em 1980. A década começava com uma nova fase para a Yamaha, arrebatando uma legião de fãs que praticava esportes off-road ou simplesmente se identificava com o estilo aventureiro e admirava os pilotos que enfrentavam o grandioso deserto africano.

Quando lançou a 600 com um novo pacote de evoluções técnicas, incluindo freio a disco e o motor que atingia 42 cv e passava dos 5 kgf.m de torque, a marca decidiu que era o momento de criar uma segunda versão da XT. A estética remetendo às motos do Dakar e o tanque para impressionantes 30 litros caracterizavam a primeira XT 600Z Ténéré (nome da região Sul do Sahara).

A Ténéré foi lançada no Brasil em 1988, já acompanhando as mudanças da segunda geração europeia, com tanque de 23 litros por causa da instalação do filtro de ar sob o reservatório para evitar a entrada de água na travessia de áreas alagadas. O formato com parte central elevada por causa do filtro e laterais que descem abraçando o motor praticamente dividia o tanque ao meio e exigiu a instalação de duas torneiras para acesso a todo o volume de gasolina.  

O modelo brasileiro estava dois anos defasado em relação ao europeu, que na mesma época da estreia no país mudava novamente. A atualização chegou ao país no começo de 1990 com a carenagem frontal fixa e dois faróis redondos, além do painel maior de dois mostradores circulares. Os benefícios do novo modelo se estendiam ao tanque maior, passando a 24 litros, radiador de óleo triplicado para aumentar a capacidade de refrigeração do motor e relação de transmissão alongada, melhorando o uso na estrada. A Ténéré brasileira só ficou atrás nos freios, porque a estrangeira tinha disco traseiro e a nacional manteve o sistema a tambor. 

O modelo continuou em produção no Brasil até 1993, paralelamente às vendas da XTZ 750 Super Ténéré importada, até a substituição da linha pela XT 600E, que resgatava a fórmula de para-lama alto, tanque esguio (14 litros) e farol que se move com o guidão, sem carenagem. A versão Ténéré da Yamaha XT só voltaria a existir quase duas décadas depois, construída sobre a base da sucessora XT 660R.

Márquez é o mais rápido no segundo dia de testes na Malásia

Rea e Haslam vencem na primeira etapa do Mundial de Superbike

Coluna do Fausto Macieira: num beco escuro explode a violência

Nas bancas: comparativos big trail e supermotard mais teste custom

Viagem: Guga Dias explora o maior conjunto de cavernas do mundo

APLICATIVO



INSTAGRAM