Advertisement

Covid-19: como conservar uma moto parada e depois reativá-la

Veja como deixar sua moto pronta para voltar às ruas depois da quarentena ou de meses parada na garagem

13/05/2020 14:05

A necessária quarentena para reduzir o risco de transmissão da covid-19 está deixando um número sem precedente de veículos na garagem. E por um período ainda difícil de prever, entre quarentenas que podem acabar ou voltar a qualquer momento.

Para evitar danos à moto que passa um período prolongado parada existem alguns truques. São cinco passos, que você pode fazer da sua casa se tiver as ferramentas e itens necessários. Assim sua moto estará pronta para voltar às ruas quando chegar a hora:

1. Antes de parar a moto, calibre os pneus com a pressão máxima permitida pela fabricante. Se notar a carcaça cedendo ao peso da moto durante o período na garagem, você pode corrigir com uma bomba elétrica portátil ou manual. Outra dica para evitar deformação é empurrar a moto na garagem ou girar manualmente os pneus uma vez por semana para não deixar sempre o mesmo pedaço da banda de rodagem sustentando a moto contra o piso. Se sua moto tiver cavalete central, prefira para reduzir o peso apoiado sobre os pneus. 

2. O combustível que fica no tanque é outro ponto que merece atenção. Ele se degrada com o passar do tempo, por isso deixar o mínimo possível permite completar com volume novo quando for reativar a moto e eliminar o velho rapidamente. Gasolina premium resiste melhor à degradação e mantém as características por mais tempo. Se tiver familiaridade com o processo de drenagem e material adequado, remova o combustível residual e, ao reativar a moto, abasteça com combustível novo usando um funil. 

3. Verifique se a carga da bateria está pelo menos em 12,3 volts, idealmente mais próxima de 13 volts. Se não tiver voltímetro/multímetro ou carregador portátil em casa, vale a pena passar em uma oficina autorizada. A bateria perde carga quando a moto não funciona por um período mínimo para recarrega-la (parte da carga também é consumida a cada partida do motor). Se tiver familiaridade com o procedimento, desconecte os terminais da bateria para reduzir a perda de carga. 

4. Lave a moto com água, sabão neutro e pano não abrasivo, para remover sujeiras que podem atacar a pintura ou oxidar componentes. Seque a moto com outro pano limpo e lubrifique a corrente de transmissão (se sua moto tiver) com spray de óleo específico para motos, como o lubrificante para correntes Mobil Super Moto. No processo, use um pedaço de papelão ou plástico por trás da corrente, para proteger roda e pneu do lubrificante. Depois cubra a moto com uma capa apropriada, em local fresco e seco, sem exposição ao sol.  

5. Ao reativar a moto para sair, verifique o nível do lubrificante do motor e complete com o mesmo produto se estiver abaixo da marca “mínimo”. Podem ter ocorrido vazamentos depois da parada. Outro fator é a degradação contínua desse óleo que já esteve em contato com o combustível e partículas de desgaste de metal, ainda que sem o funcionamento do motor. Por isso existem dois critérios para a troca, por quilometragem percorrida ou por tempo, o que ocorrer primeiro. Se a última substituição ocorreu a mais de seis meses é ideal substituir, sempre seguindo a recomendação de viscosidade indicada pela fabricante da moto. O mesmo vale para o fluido de freio, que absorve umidade do ambiente e perde eficiência apesar da falta de uso.    

 

©Copyright Duas Rodas. Reprodução proibida de textos e imagens, total ou parcial.     

APLICATIVO



INSTAGRAM