Quatro Rodas

Bridgestone já produziu motocicletas entre 1950 e 1970

Foram diversos modelos entre 50cc e 350cc, construídos para se tornarem modelos premium para a época

19/01/2016 16:29

A fabricante japonesa de pneus Bridgestone já produziu motos anos atrás, mais precisamente entre 1958 e 1971. Essa é uma história pouco divulgada aqui no Brasil, mesmo com a empresa presente no país desde 1939 – a Bridgestone comprou a Firestone em 1988. O fundador da empresa, Sr. Shojiro Ishibashi, era um dos principais fabricantes de calçados com sola de borracha do Japão e em 1925, após a Primeira Guerra Mundial, começou a produzir em massa alcançando o sucesso.

Anos mais tarde, pós Segunda Grande Guerra, Ishibashi já trabalhava com uma grande gama de produtos em borracha e a crescente indústria de motocicletas chamou sua atenção – até porque a empresa já tinha experiência na construção de bicicletas. Ishibashi então fez uma parceria com engenheiros da Tohatsu, que na época já construía pequenos motores dois tempos de 50cc. A partir desta união nasceriam as motocicletas da Bridgestone, que ganhou esse nome, pois a tradução de Ishibashi em inglês é “Stone Bridge”.

Em parceria com Tokyo Hatsudoki, engenheiro da Tohatsu, Ishibashi passou a produzir motocicletas com qualidade premium, com a intenção de preencher uma lacuna do mercado na época. Não foram poupados recursos e as motos da Bridgestone nasceram com válvulas rotativas, câmbio de seis marchas, injeção automática de óleo, cilindros de alumínio, pintura em três camadas, e mais detalhes que não eram comuns nas motos da Suzuki e Yamaha até então. O problema foi o alto preço do conjunto e a distribuição das motos.

Foram diversos modelos, de 50cc a 350cc, até que a empresa viu que seria mais fácil (e lucrativo) abastecer as gigantes fábricas de motocicletas que prosperavam na época do que disputar espaço com elas na produção de motos.

APLICATIVO



INSTAGRAM